FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Comissão do TST vê reforma válida apenas para contratos novos

Publicado em : 09/01/2018

Fonte : Agência Estado -

Uma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir de 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes.

O jornal O Estado de S. Paulo obteve parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST, onde foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta obtida defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado preposto.

Composta por três ministros, a comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquiridos” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros - dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante.

Pesquisador diz que “parte do benefício será perdida”

O pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia e professor da Fundação Getúlio Vargas, Fernando de Holanda Barbosa Filho, acredita que o tratamento diferente para velhos e novos empregados vai gerar incerteza jurídica e pode até prejudicar o trabalhador.

“Toda a incerteza vai continuar. O objetivo da lei era dar mais segurança jurídica ao permitir que a empresa saiba exatamente quanto vai custar o empregado”, acredita o professor, caso a revisão das súmulas seja feita da forma como a comissão propôs. “A reforma queria reduzir essa incerteza e, assim, ampliar a formalização e o número de postos de trabalho. Entendo que uma parte do benefício (da reforma) seria perdida”, diz.

 


TST vai decidir se reforma trabalhista só afeta novo contrato

TST vai decidir se reforma trabalhista só afeta novo contrato

 10/01/2018

 Folha de São Paulo

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) vai se posicionar em fevereiro, a partir do dia 6, sobre a validade de pontos da nova lei trabalhista para contratos vigentes. Os ministros vão julgar, de acordo com a assessoria do órgão, parecer da comissão de [...]





Serasa aponta melhor Natal em sete anos

Serasa aponta melhor Natal em sete anos

 26/12/2017

 Estado de São Paulo

As vendas do Natal de 2017 no País tiveram o melhor desempenho desde 2010, revertendo três anos consecutivos de retração. O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio - Natal 2017 mostra crescimento de 5,6% na semana entre 18 e 24 deste mês em [...]




ADVOGADOS DO SECCAN  GANHAM CAUSA PARA TRABALHADORES

ADVOGADOS DO SECCAN GANHAM CAUSA PARA TRABALHADORES

 21/12/2017

 SECCAN

  Mais uma vitória para a advocacia trabalhista goiana. Os advogados do Sindicato dos Comerciários de Caldas Novas, Edivânia Alves e  Edivan de Oliveira, conseguiram na Justiça uma medida para garantir que os funcionários de uma rede de [...]




O acordo sobre os pacotes econômicos

O acordo sobre os pacotes econômicos

 13/12/2017

Graças à intermediação da Advocacia-Geral da União (AGU), com apoio do Banco Central, um litígio judicial entre instituições financeiras e associações de poupadores, que se arrastava nos tribunais superiores há duas [...]



"Coisa de Sindicalista"

 06/12/2017

 O Popular

Artigo publicado hoje no jornal O Popular impresso e Digital com o presidente da FETRACOM GO/TO, Eduardo Amorim.     O varejo aparece no ambiente financeiro do País com pressão menor sob os números do desemprego e ânimo a mais para as [...]



EDUARDO AMORIM RECEBE TROFÉU DE DESTAQUE

EDUARDO AMORIM RECEBE TROFÉU DE DESTAQUE

 04/12/2017

 SECEG / Foto: Sindifatos

A Revista Sindifatos, mais uma vez premiou o presidente da FETRACOM GO/TO e SECEG como líder classista de destaque no meio.   O presidente do SECEG, Eduardo Amorim, recebeu a premiação na última sexta-feira, 01, no auditório da [...]