FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

TST: Turma reduz valor de indenizações por danos morais, estéticos e materiais em acidente de trabalho

Publicado em : 15/03/2018

Fonte : TST -

Ao julgar recurso de revista interposto pela Siderúrgica Ibérica S. A., de Marabá (PA), a Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho reduziu o valor das indenizações por danos morais e estéticos devidas a um eletricista vítima de acidente de trabalho e aplicou um redutor à indenização por dano material a ser paga em parcela única. Por maioria, a Turma considerou desproporcionais e excessivos os valores fixados pelas instâncias inferiores.

O acidente diminuiu em 70% a capacidade de trabalho do empregado, atingindo com gravidade os nervos da região do seu pulso direito e acarretando a diminuição de suas respostas motoras. Ao apreciar a matéria, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA-AP) havia deferido indenizações compensatórias por danos morais, estéticos e materiais que somavam aproximadamente R$ 1,4 milhão, em razão do infortúnio do qual resultou incapacidade total e permanente do empregado. Segundo o Tribunal Regional, “a fixação dos valores relativos aos danos materiais, morais e estéticos deve levar em conta a expectativa de vida média dos brasileiros (75,2 anos), a idade do empregado vitimado (29,8 anos) e a remuneração anual proporcional à redução da capacidade”.

A Oitava Turma do TST, todavia, considerando que a reparação deve ser fixada com fins pedagógicos e compensatórios, a fim de evitar a repetição do ato lesivo e de assegurar à vítima a justa reparação pelos danos sofridos, sem, no entanto, proporcionar enriquecimento sem causa, acabou por reduzir a condenação total para pouco mais de R$ 616 mil, sendo R$ 40 mil por danos morais, R$ 60 mil por danos estéticos e R$ 516 mil por danos materiais.

O voto condutor, do ministro Márcio Eurico Vitral Amaro (relator), baseou-se tanto na perda parcial da capacidade de trabalho do eletricista quanto na importância da função para a qual ele ficou incapacitado. Com fundamento em jurisprudência reiterada do TST, o ministro determinou a aplicação do redutor de 30% sobre o valor da condenação relativa aos danos materiais, que será pago em parcela única. “Esta Corte tem se pronunciado no sentido de que, nas hipóteses de pagamento de indenização por danos materiais em parcela única, deve ser aplicado um percentual redutor, tendo em vista que o valor será disponibilizado de uma só vez”, explicou.  

Ficou vencida a ministra Cristina Peduzzi, que arbitrava as indenizações por danos morais e estéticos em R$ 100 mil cada.

(GL/CF)

Processo: ARR-10351-64.2015.5.08.0129



Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook

 14/03/2019

 Folha de São Paulo

O governo vai pedir ao Congresso autorização para usar aplicativos de mensagens, redes sociais e call center para cobrar devedores. A estratégia tem o objetivo de elevar a recuperação de recursos que entraram na Dívida Ativa da União [...]




Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

Sindicatos goianos perdem até 98% da arrecadação

 08/03/2019

 O Popular

Com o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, imposta pela reforma trabalhista, sindicatos de trabalhadores e de patrões em Goiás sofreram uma drástica perda de receita e estão tendo que se reinventar para continuar de portas abertas. O [...]



Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

Renda domiciliar cresce, mas sofre efeitos da crise

 28/02/2019

 O Popular

Os trabalhadores goianos viram seu poder de compra cair muito nos últimos anos por conta da crise econômica. O rendimento domiciliar per capita goiano cresceu 28,3% em cinco anos, entre os anos de 2014 e 2018. Porém, no mesmo período, a inflação pelo [...]


União de sindicatos é tendência global

União de sindicatos é tendência global

 25/02/2019

 Estado de São Paulo

A Força Sindical, que reúne quase 1,3 mil sindicatos representantes de 1,6 milhão de trabalhadores, colocou à venda a sede da entidade, um prédio de 12 andares no bairro da Liberdade, em São Paulo, por R$ 15 milhões. Sem a parte do imposto [...]