FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Filiados

Faturamento do ecommerce cresce 122% e empresas investem em infraestrutura

Publicado em : 29/12/2020

Fonte : Folha Press -

 

Nem em suas previsões mais otimistas, as empresas que trabalham com vendas digitais conseguiram acertar o desfecho de 2020. O faturamento do comércio online no Brasil mais que dobrou. O crescimento foi de 122% no acumulado do ano até novembro, na comparação com o mesmo período de 2019, mostra indicador de ecommerce da Câmara Brasileira da Economia Digital e da empresa Neotrust.

Foram movimentados R$ 115,3 bilhões no período, impulsionados pelas gigantes de ecommerce, que tiveram um ano marcado por investimento em infraestrutura. Segundo a Neotrust, elas responderam por 86% do mercado no terceiro trimestre deste ano.

O comércio digital representa 8,6% do varejo, de acordo com o último dado, de outubro.

O setor já estava aquecido antes de a Covid impor restrições sociais e ampliar o comércio digital. Com o novo cenário, que incentiva os negócios online, companhias como Mercado Livre, B2W, Magazine Luiza, Amazon e Via Varejo intensificaram processos de automação e expandiram área de armazenagem, inaugurando ou investindo em centros distribuição e logística durante a pandemia.

A expectativa de empresas e especialistas do setor é que o desempenho do comércio digital se mantenha acima de níveis pré-pandemia no médio e longo prazo.

"O desempenho das grandes está relacionado, também, ao das pequenas, já que muitas empresas menores utilizaram a estrutura digital das grandes varejistas", diz Kelly Carvalho, economista da FecomercioSP. Empresas tradicionais do varejo, como Magazine Luiza, abriram suas plataformas online a pequenos comerciantes.

"A tendência é que o crescimento fique acima do nível pré-crise, pois a pandemia fez o setor avançar com muito mais força do que antes, e o ingresso de novos consumidores deve manter trajetória de alta", diz a economista.

A performance de algumas empresas sinaliza bem essa tendência. Na Via Varejo, dona de Casas Bahia e Pontofrio, o marketplace e o canal online venderam R$ 4,1 bilhões entre julho e setembro, quando as medidas de isolamento já eram mais brandas. Trata-se de um crescimento de 219% em relação ao mesmo trimestre de 2019. A plataforma Vendedor Online ou o Me Chama no Zap representou 16% das vendas online no terceiro trimestre.

Na Magazine Luiza, que investiu em uma série de startups durante a pandemia e adaptou a função de suas lojas físicas, o crescimento ano a ano das vendas digitais da companhia foi de 148%, fechando o trimestre de setembro a R$ 8,2 bilhões. O setor responde por dois terços das vendas da empresa, de acordo como o último balanço.

Segundo a Neotrust, que monitora dados de grandes varejistas (não inclui Mercado Livre e OLX), o terceiro trimestre de 2020 teve 5,8 milhões de novos consumidores, que fizeram sua primeira compra pela internet. No mesmo período de 2019, foram 4,4 milhões.

O consumo de eletrônicos, produtos mais caros e com alta demanda devido ao trabalho remoto, foi um dos principais responsáveis pelos ganhos no ano. No entanto, explica Fernando Yunes, vice-presidente sênior do Mercado Livre, o setor foi beneficiado por uma mudança generalizada nos hábitos de consumo.

Destacam-se a entrada de novas lojas nos shoppings virtuais, a diversificação dos produtos nos carrinhos de compras, que cresceu no período, o ingresso de novos consumidores no comércio online, bem como o fato de clientes antigos adotarem novos hábitos, intensificando as compras digitais.

"São 8,9 milhões de pessoas que passaram a consumir, e os que já compravam, passaram a comprar mais vezes, aumentou muito a frequência de compra", diz Yunes. O investimento da empresa foi de cerca de R$ 4 bilhões em 2020.

Na pandemia, o Mercado Livre lançou cinco novos centros logísticos, quatro no Sudeste e um no Sul, para início de operação entre o fim de 2020 e o início de 2021, e contratou uma frota com quatro aviões para entrega.

Os armazéns foram implementados para diminuir o tempo de frete, um dos critérios que define a posição de um negócio na competição entre as grandes. A empresa tem a meta de dois dias úteis a entregas a todo país.

A Amazon, que em 2019 lançou seu primeiro grande centro de distribuição no Brasil, em Cajamar (SP), tem hoje oito armazéns do tipo em cinco estados, quatro inaugurados na pandemia.

A companhia não especifica quantas lojas entraram em seu marketplace, mas diz que as categorias de itens oferecidos passaram de 16 para 30, e o número produtos disponíveis subiu de 20 milhões para 30 milhões de um ano a outro.

Assim como em outras empresas de ecommerce, o aumento na busca de itens de supermercado e farmácia fizeram diferença na cesta.

"Observamos crescimento geral da demanda em diversas categorias de produtos, como itens de primeira necessidade que têm uma demanda mais alta durante a pandemia. São alimentos, produtos de higiene e limpeza da casa, por exemplo", diz Juliana Sztrajtman, líder de Marketing e Prime da Amazon no Brasil.

Já a B2W, que reúne Americanas, Shoptime e Submarino, passou a contar com quase 80 mil vendedores em sua base no terceiro trimestre, contra 38,7 mil no mesmo período de 2019. Dos 20,8 milhões de clientes ativos, quase 6 milhões entram no sistema nos últimos 12 meses.

Em 2020, a companhia inaugurou cinco centros de distribuição, em Belém, Salvador e Fortaleza, Brasília e Vitória, antecipando o número de armazéns que estava previsto para 2022.

"Investiremos R$ 5 bilhões nos próximos dois anos em um pacote de estratégias implantado nos últimos anos, impulsionado agora pela pandemia ao longo de 2020", diz Jean Lessa, diretor de Tecnologia e Marketplace da B2W Digital.

O maior crescimento no faturamento online, de acordo com índice da Câmara Brasileira da Economia Digital, foi na região Nordeste, com 160%, seguida de Norte (127,87%), Sul (122,36%), Centro-Oeste (120,37%) e Sudeste (113,25%).

Em São Paulo, a FecomercioSP estima que o setor tenha crescimento de 32% no faturamento real em 2020 em relação a 2019, aumento de cerca de R$ 7 bilhões a mais nas receitas.



Com pandemia, varejo elimina 75,2 mil lojas

Com pandemia, varejo elimina 75,2 mil lojas

 01/03/2021

No início da pandemia de covid-19, o empresário Marcelo de Carvalho, dono da cinquentenária Mototex, que confecciona e vende uniformes para restaurantes e condomínios, ficou com as duas lojas fechadas por três meses. Nesse período, continuou [...]




O Popular: Lockdown e Emprego no interior do Estado

O Popular: Lockdown e Emprego no interior do Estado

 23/02/2021

 SECEG

Quando falamos em lockdown, situação necessária diante de números assustadores do Coronavírus, muitos lembram de possíveis falências do empresariado. Mas o trabalhador do comércio é a parte mais fraca desta engrenagem [...]


SECEG REJEITA PROPOSTAS DE FERIADO DO CARNAVAL

SECEG REJEITA PROPOSTAS DE FERIADO DO CARNAVAL

 11/02/2021

 SECEG

Recebemos as propostas dos sindicatos patronais na tarde desta quarta-feira, 10, para abertura do comércio durante o carnaval através das seguintes trocas: 1 -  Dia 15 seria compensado no ANIVERSÁRIO do comerciário e dia 16 em data de LIVRE ESCOLHA, desde [...]






Shoppings se recuperam e já investem

Shoppings se recuperam e já investem

 08/02/2021

 O Popular

Depois de um ano desafiador para o comércio em geral, por conta da pandemia do novo coronavírus, os shoppings de Goiânia conseguiram fechar 2020 com recuperação das vendas e iniciaram 2021 recebendo novas operações. Segundo a [...]


Goiânia tem uma nova associação empresarial

Goiânia tem uma nova associação empresarial

 04/02/2021

 O Popular

Os empresários da capital passaram a contar com mais uma entidade representativa: a Associação Comercial Empresarial de Goiânia (Aceg), fundada em outubro do ano passado. O presidente da nova entidade, José Torres, afirma que o principal foco da Aceg, que [...]