FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Filiados

MP pode beneficiar varejo e confecções

Publicado em : 19/08/2019

Fonte : O Popular -

A Medida Provisória da Liberdade Econômica, que foi aprovada na última quarta-feira (14) na Câmara dos Deputados, traz dispositivos que podem beneficiar especialmente pequenas empresas, com destaque para o comércio varejista e confecções. Setores que têm destaque em Goiás. O texto prevê, por exemplo, que negócios de baixo risco não precisam de alvará para começar a funcionar e libera trabalho aos domingos.

A proposta tranca a pauta do Plenário do Senado nesta semana. Aprovada como Projeto de Lei de Conversão (PLV), ela tem validade até o próximo dia 27 de agosto e é o primeiro item a ser discutido amanhã. Também apelidada de minirreforma trabalhista, porque incorporou mudanças relativas ao direito trabalhista, gera controvérsias e divide parlamentares. De um lado alguns exaltam a flexibilização do dia a dia para companhias privadas, já outros apontam perda de direitos.

Considerada conveniente por representantes do setor produtivo, ao passar pela Câmara alguns pontos da MP ficaram de fora. A intenção do governo federal é de voltar a incluir parte deles em novo projeto. Mas mesmo antes disso, há setores, como o varejista, que comemoram os possíveis impactos.

Poder abrir aos domingos e conforme a necessidade de cada comércio é uma das vantagens, segundo o presidente da Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio), Marcelo Baiocchi. “É uma tranquilidade para o comércio ter mais tempo para faturar, até porque a maioria perdeu vendas por conta da economia desaquecida”, diz.

A retirada da necessidade de alvará para atividades de baixo risco e as flexibilizações trabalhistas, para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, são pequenos somatórios que reduzem burocracia e gastos. Ele ressalta que pequenas oficinas de costura são exemplos de negócios que terão mais liberdade.

Goiás possui 3.047 de confecção e 385 empresas têxteis, segundo a Abit, e como outros locais que concentram a atividade com pequenos empreendedores pode sentir reflexo favorável. O presidente da Federação das Indústrias de Goiás (Fieg), Sandro Mabel, acredita que prestadores de serviço para a indústria também podem ter um aquecimento na atividade.

Para o curto e médio prazo, pontua que até legalização de negócios pode ser incentivada. “Vai ajudar no crescimento do ambiente de negócios, com mais negócios se fatura mais.”



Litro de gasolina tem R$ 2,05 em impostos

Litro de gasolina tem R$ 2,05 em impostos

 17/02/2020

 O Popular

Os motoristas goianos pagam cerca de R$ 2,05 de impostos em cada litro de gasolina adquirido em postos do Estado, o 5º maior valor do País. Com a alíquota de 30%, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é o tributo que tem [...]





Via Varejo é condenada  a pagar intervalos intrajornada

Via Varejo é condenada a pagar intervalos intrajornada

 06/02/2020

 O Popular

Uma trabalhadora da Via Varejo S/A, dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio, vai receber como horas extras os 15 minutos de intervalo entre o fim da jornada normal e início do trabalho extraordinário não usufruídos nos anos anteriores à reforma [...]










Trabalhadora chamada de

Trabalhadora chamada de "lenta" ganha ação

 27/01/2020

 TRT-3

O julgamento do caso foi proferido pela 10° turma do TRT da 3° região (TRT-3). A empresa foi condenada ao pagamento de R$ 10 mil reais como indenização a uma ex-funcionária que ouviu da sua gerente os nomes de tartaruga e lenta, como forma de referir-se a [...]