FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Golpe do emprego no WhatsApp envolve até esquema de pirâmide; saiba identificar

Publicado em : 30/05/2022

Fonte : Folha Press -

"Olá, você foi selecionado para um trabalho de meio período online, com salário diário de R$ 500 - R$ 1000. Entre em contato comigo pelo link..." Se você recebeu uma mensagem similar a esta, prometendo empregos remotos com alta remuneração diária, tome cuidado: provavelmente é uma tentativa de golpe.

Há casos em que o esquema é relativamente simples. O golpista entra em contato anunciando a seleção para uma vaga, mas pede um pagamento, supostamente para a realização de um exame admissional ou de um curso necessário ao trabalho. Em versões mais complexas, o golpe pode envolver esquemas de pirâmide, manipulação de avaliações em plataformas digitais, fraude e roubo de dinheiro e de dados.

Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil, explica que tudo começa com uma mensagem: "Eles estão usando todas as plataformas possíveis. Começou muito forte no WhatsApp e por SMS, hoje a gente já tem visto usando contas no iCloud, para proprietários de iPhone, e até no Telegram."

As mensagens normalmente contam com um número de telefone ou link para iniciar uma conversa, em que o usuário recebe um endereço para cadastro em uma plataforma. "A maioria destes cadastros tem um código passado para a pessoa, que é o código do afiliado, para identificar quem é o recrutador e para que ele receba uma parte", relata Assolini. O analista explica que quem recruta pessoas para a plataforma ganha um valor, aumentando o alcance do golpe.

Após o cadastro, é solicitado ao usuário que faça uma transferência inicial via PIX. "É um valor baixo, pode ser de R$ 20, para uma conta física que você não sabe de quem é. E eles fazem a promessa de que ao fazer este aporte você receberá de volta este valor e mais uma comissão, só por ter se cadastrado."

Esta etapa serve para ganhar a confiança do usuário. Cadastrado, o usuário passa a receber tarefas diárias para que simule a compra de um produto e o classifique com cinco estrelas, para receber o dinhei

Em determinado ponto, quando a plataforma já recebeu muitos cadastros, as plataformas são encerradas e as pessoas perdem o dinheiro aportado.

Além do dinheiro não devolvido, que fica com os criminosos quando encerram a plataforma, há ganhos com a manipulação de avaliações de produtos, tarefas realizadas pelos usuários como condição para o pagamento. "Quando você simula a compra, dá estrelas, na verdade, você está manipulando reputações em lojas online", explica Assolini.

Desconfie de ofertas muito generosas, enviadas por desconhecidos. Mesmo se a mensagem incluir o nome de uma empresa conhecida, entre em contato pelos canais oficiais para confirmar a oferta.