FETRACOM | Fetracom - Federação dos Trabalhadores no Comércio nos Estados de Goiás e Tocantins

Notícias

Notícias Fetracom

Inflação para os mais pobres chega a 8,57% desde o início da pandemia

Publicado em : 24/06/2021

Fonte : Estadao -

Estigma ainda recente da economia nacional, a inflação voltou a pressionar o orçamento das famílias no Brasil, em especial as de menor poder aquisitivo. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a alta de preços atinge de maneira diferente ricos e pobres.

Desde que a pandemia do novo coronavírus começou, em março do ano passado, a inflação oficial acumulada medida pelo IPCA foi de 7,39%. Para as famílias com renda de até cinco salários mínimos, porém, o índice medido pelo INPC foi maior, de 8,57%.

No início da pandemia, os índices chegaram a registrar deflação nos meses de abril e maio de 2020, em meio à retração da atividade econômica e à onda de bloqueios em todo o País. Mas nos meses seguintes os indicadores voltaram a subir, puxados por questões específicas.

O primeiro grande choque foi a alta do preço dos alimentos. Base da alimentação do brasileiro, o arroz disparou 76% no ano passado e o feijão preto subiu 45%. A alimentação em domicílio ficou 18% mais cara.

O que os economistas veem nos números, a população em geral sente no bolso. Morador de Santa Maria, região administrativa do Distrito Federal, o pintor Valdo Rocha, de 47 anos, diz que deixou de comprar carne no último ano por causa do preço do produto. “Não sei nem te falar a frequência com que como carne. Compro de vez em quando só para não esquecer o gosto”, disse.  

Rocha, que tem renda mensal de cerca de R$ 2 mil, reclama também do preço do gás de cozinha e diz que vem deixando de comprar outros itens por conta da alta de preços. “Hoje em dia está tudo um absurdo.”

Embora a inflação atinja todas as famílias, o impacto maior recai sobre as classes mais baixas. Isso ocorre justamente porque produtos básicos - como alimentos, gás e serviços de energia elétrica - têm um peso maior na cesta de consumo destas famílias. Em outras palavras, os pobres gastam uma parcela maior da renda com comida, na comparação com os ricos. Quando o preço do arroz sobe muito, são os pobres os mais prejudicados.

“A inflação não é igual para todo mundo e incide mais desastrosamente sobre os mais pobres. As classes mais baixas estão tendo uma queda real no consumo enquanto as classes mais altas, que acumularam poupança durante a pandemia, se preparam para um aumento no consumo de serviços, que tem uma demanda represada”, explica o diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Felipe Salto.

É por esse motivo que, no Brasil, economistas costumam repetir que a inflação é o principal encargo sobre a população mais pobre. Era assim no período de hiperinflação, entre o fim da década de 1980 e o início da década de 1990, e continua sendo assim agora.

“É um ‘imposto inflacionário’”, resume o economista Fernando Ribeiro Leite Neto, professor do Insper em São Paulo. “Com o mercado de trabalho fragilizado, o espaço para recomposição salarial é muito reduzido. Boa parcela da população está tendo perda de renda real (descontada a inflação).”

Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostram que, em meio à crise provocada pela pandemia de covid-19, apenas 38,5% dos reajustes salariais em 2020 resultaram em ganhos reais - ou seja, em aumentos acima da inflação. Outros 34% dos reajustes foram equivalentes à inflação e 27% ficaram abaixo do índice de preços.

Para o economista Mailson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda no governo Sarney e sócio da Tendências Consultoria Integrada, as classes mais baixas estão sofrendo um “duplo efeito” na renda. “Primeiro pela pandemia, que afetou de forma mais séria o mercado informal, onde estão os mais pobres”, explicou. “Segundo porque isso é agravado pela inflação mais elevada.”

Mailson lembra que a inflação é sempre uma espécie de “imposto inflacionário”. “Claro que isso é tolerável em níveis baixos, de 2% a 3%. Mas sempre que o índice sai disso, o imposto inflacionário se acentua, como está acontecendo agora”, diz.

“Quando a inflação aumenta, os preços ficam mais altos e o governo arrecada mais sem aumentar a alíquota de imposto. A inflação produz um aumento de receita sem o governo fazer esforço nenhum”, completa Salto.

O efeito é ainda maior sobre os mais pobres, que consomem bens e serviços que são mais tributados do que a renda. Assim, as camadas mais vulneráveis bancam a maior parte do “imposto inflacionário”. 

O diretor da IFI ressalta que o aumento da inflação tem um efeito de “melhora artificial” das contas públicas, mas que não se sustenta no longo prazo. A inflação faz com que suba o valor nominal do Produto Interno Bruto (PIB). Isso ocorre porque o preço dos bens produzidos na economia está mais alto, e não porque há aumento da atividade econômica propriamente dita. Crescendo o PIB, a relação entre dívida e PIB também fica menor em um primeiro momento.

“O problema é que não é sustentável. Não tem nada de estrutural acontecendo. O PIB potencial não aumentou, a produtividade está caindo, não aprovamos reformas para valer desde a da Previdência”, diz Salto. “A partir de 2022, voltamos aos problemas conhecidos. Temos risco de aumento de juros, de políticas externas afetarem a dinâmica da economia brasileira e o não avanço nas agendas que importam.” 





Alta na conta de luz em 2022 deve ser menor do que neste ano

Alta na conta de luz em 2022 deve ser menor do que neste ano

 15/09/2021

 Folha de São Paulo

As medidas anunciadas pelo governo para tentar frear a elevação das tarifas de energia em 2022 devem surtir efeito e podem gerar até uma queda nas tarifas em algumas regiões, na opinião de especialistas que comentaram o tema nesta terça (14). Para [...]









Vendas em shopping crescem em 2020

Vendas em shopping crescem em 2020

 30/08/2021

  O Aparecida Shopping teve um aumento em suas vendas totais de 14% em relação a 2019 e 62% em comparação com 2020, dados prévios do mês de julho deste ano, período de férias. Já no mês de agosto, no período [...]